(function(d, s, id) { var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0]; if (d.getElementById(id)) return; js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = "//connect.facebook.net/pt_BR/all.js#xfbml=1"; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs); }(document, 'script', 'facebook-jssdk')); class="archive tag tag-statues-on-fire tag-242 unknown">

Os 10 melhores discos nacionais de 2016 segundo Gralha Rocka

hurtmold_santos

01 – Hurtmold e Paulo Santos – Curado
A junção de dois ícones do som instrumental brasileiro rendeu um grande disco. Com 18 anos de atividade, o Hurtmold iniciou sua trajetória como uma banda do chamado post-rock, com uma pegada punk e letras em algumas faixas. Com o tempo as letras foram sumindo, o instrumental incorporando elementos diversos que passeiam pelo jazz, funk norte-americano, música eletrônica, ritmos regionais e experimentalismos. Já Paulo Santos integrou o mítico grupo mineiro Uakti, que utilizava instrumentos não convencionais fabricados com componentes diversos, como tubos de PVC, madeira, metal e vidro. “Curado” é uma amálgama musical. Um álbum que revisita as duas partes envolvidas, mas ao mesmo tempo é diferente e único em suas carreiras. Ouça aqui.

02 – Fábrica de Animais – Fábrica de Animais II
Essa banda paulista está entre as mais viscerais do nosso rock atual. A Fábrica transborda feeling, sentimento, energia. Tem muita verdade envolvida e quem ouve sente isso. Em seu segundo álbum as características sonoras foram mantidas. É rock n’ roll, é blues. Tem gaita, letras inspiradas que versam sobre o cotidiano, sobre amor/dor, sentimentos. A vocalista Fernanda D’Umbra canta com a alma. E ainda tem capa do Angeli e o selo Baratos Afins de qualidade.

03 – Violeta de Outono – Spaces
Visto pelos próprios membros como o fechamento de uma trilogia, “Spaces” encerra um ciclo que compreende também os álbuns Volume 7 (2007) e Espectro (2012). Trata-se da consolidação da atual formação, com sonoridade mais prog. Com músicas mais longas e complexas, como a faixa de abertura “Imagens” e de fechamento “Cidade Extinta”. As teclas de Fernando Cardoso (Orgão, Piano e Synths) e a guitarra de Fabio Golfetti dialogam, se separam, têm seus próprios momentos, formando uma manta sonora etérea e contemplativa. Conjunção perfeita com o baixo de Gabriel Costa e a bateria de José Luiz Dinóla. Bom disco que engrandece ainda mais a longa trajetória da banda. Ouça aqui.

04 – Necro – Adiante
Alagoas tem nos presenteado com ótimas bandas. Grupos contemporâneos forjados nas sonoridades mofadas mas que não soam anacrônicos. Mopho e Messias Elétrico são exemplos, assim como o Necro. Esse trio antes chamado Necronomicon andava por caminhos mais arrastados e densos, doom, como bem disseminou o Black Sabbath, e cantavam em inglês. Em “Adiante” o português passou a dominar e o som se aproximou mais da música pesada e lisérgica produzida no Brasil na década de 70. O resultado é surpreendente. Um discão de rock vigoroso e chapante como há muito não se via em terras brasileiras. Ouça aqui.

05 – Continental Combo – Nunca Mais
Psicodelia, folk rock, um certo aceno Mod, atmosfera urbana, são elementos característicos da face sonora e estética do Continental Combo. Com mais dez anos de atividade e considerando que a banda sempre se auto-produziu, “Nunca Mais” comprova que o Continental sabe o que fazer no estúdio. Tudo soa perfeitamente bem e coeso. O álbum marca também a volta ao formato de trio, sendo que o guitarrista Carlos Nishimiya participa como convidado apenas da faixa de abertura “Faroeste Blues”. “Tempos de Glaciação” e “Conveniências” são velhas conhecidas que ganharam novas roupagens mostrando novas possibilidades. “Recordar é Viver” tem aquele tipo de melodia e refrão cantarolável que funciona bem nos shows. Enfim, quarto disco full da banda. Mais um acerto. Ouça aqui.

06 – Statues on Fire – No Tomorrow
Um álbum inspirado e inspirador. “No Tomorrow”, segundo play do Statues on Fire é bem produzido, bem tocado, diversificado, entre inúmeros outros pontos positivos. Rotulá-lo como um disco de hardcore é pouco. Ele é punk, é metal, é rock. Basta ouvir o trabalho de guitarras gêmeas, tipo Thin Lizzy, em “Nowhere is Always Where I Go” para atestar essa face diversa porém com unidade da banda. No set-list músicas pesadas e rápidas convivem em harmonia com faixas melódicas e acessíveis. Se o primeiro álbum era promissor, “No Tomorrow” é uma comprovação. Ouça aqui.

07 – Mickey Junkies – Since You’ve Been Gone
Recentemente, o rock alternativo brasileiro do início dos anos 90 tem sido revisitado com a produção de documentários e shows. Uma das bandas dessa época é o Mickey Junkies, de Osasco/SP. Após um logo período de inatividade, o grupo lançou seu segundo disco “Since You’ve Been Gone”. Trata-se de um álbum elegante, fator evidenciado pelo trabalho vocal de Rodrigo Carneiro, que canta como um crooner. Peso e suingue permeiam as faixas. Entre elas uma versão de DeFalla. Um excelente retorno. Single aqui.

08 – FireFriend – Negative Sun
Um disco sobre os sinais do tempo (o hoje). Onde o sol é negativo. Um mundo caótico e deteriorado. Onde as pessoas não percebem o que acontece ao redor. Estão cegas, entretidas com banalidades. “Negative Sun” é uma espécie de atestado realista. Musicalmente é um álbum cadenciado, com destaque pros efeitos que distorcem, que derretem. É viajante. É cru. É simples. E é bom. Ouça aqui.

09 – Goatlove – Guadalajara
Em seu segundo álbum o quinteto paulista aprimorou as qualidades do debut. “Guadalajara” é sólido e eficiente. As referências da banda estão bem costuradas. E sim, são muitas, tornando o som bem peculiar. Metal, punk, gothic, pós-punk, puro rock n’ roll, tá tudo lá. O repertório é forte, com ótimas músicas. “We Shall Rise” pode causar certa estranheza e cansaço com seus mais de 16 minutos de viagem mântrica, meio “We Will Fall” dos Stooges. Pra finalizar, uma bela reverência ao Led Zeppelin em “Sunshine Colours”. Um disco diferenciado. Ouça aqui.

10 – Atomic Winter – Tsunami Survivor
Desde o início dos anos 2000 Goiânia se estabeleceu como um dos principais polos produtores de rock n’ roll do Brasil. Um selo/produtora de expressão, festivais importantes e muitas bandas. Porém o hardcore goiano nunca alcançou grande destaque fora das divisas estaduais. Só que em 2016 isso mudou, graças à “Tsunami Survivor” do Atomic Winter. Um disco que é energia pura, concentrada. E a capa tem aquele climão que lembra o clássico desenho japonês “Fantomas”. Um maremoto sonoro. Ouça aqui.

Desova: Statues on Fire – Phoenix (2014)

Statues_On_Fire_Disco

O Brasil sempre revelou excelentes bandas de punk e hardcore, isso desde os anos 80, onde tudo era feito na raça. Entre as décadas de 90 e 2000 ocorreu um certo boom do hardcore com uma pegada mais melódica e entre inúmeras bandas, uma das que mais se destacaram foi o Nitrominds. Após muitos discos e shows, os caras resolveram encerrar as atividades e buscar novos ares. 2/3 da banda, o guitarrista e vocalista André Alves e o baixista Lalo uniram-se ao guitarrista André Curci (Threat/Música Diablo) e ao batera do Kacttus Alex e formaram o Statues on Fire. As credenciais e todo histórico dos evolvidos fez com a banda fosse bem recebida imediatamente e aos poucos os caras foram desenvolvendo o trabalho, compondo, tocando e gravando. O resultado é “Phoenix”, um álbum com 11 faixas que transbordam qualidade, energia e sentimento. O grande questionamento era se o Statues on Fire seria um Nitrominds revisitado e ficou claro que não é. O Nitrominds, principalmente nos seus últimos anos era mais pesado, incorporando o metal ao hardcore. O Statues investe mais nas melodias. Os caras apresentam músicas maiores, com solos trabalhados e em alguns casos uma pitada pop. O trampo de guitarras ficou excepcional. E sim os momentos de porradaria também estão presentes. “Phoenix” superou as expectativas, um ótimo cartão de visitas pra essa nova banda de músicos tão gabaritados. Tá saindo em vinil gringo (a capa ficou linda diga-se) e logo mais ganha edição em CD por aqui. Porém a banda disponibilizou o álbum para audição no Bandcamp. Se você curte esse tipo de som vai na fé e clica ae.