(function(d, s, id) { var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0]; if (d.getElementById(id)) return; js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = "//connect.facebook.net/pt_BR/all.js#xfbml=1"; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs); }(document, 'script', 'facebook-jssdk')); class="archive tag tag-phoenix tag-243 unknown">

Desova: Statues on Fire – Phoenix (2014)

Statues_On_Fire_Disco

O Brasil sempre revelou excelentes bandas de punk e hardcore, isso desde os anos 80, onde tudo era feito na raça. Entre as décadas de 90 e 2000 ocorreu um certo boom do hardcore com uma pegada mais melódica e entre inúmeras bandas, uma das que mais se destacaram foi o Nitrominds. Após muitos discos e shows, os caras resolveram encerrar as atividades e buscar novos ares. 2/3 da banda, o guitarrista e vocalista André Alves e o baixista Lalo uniram-se ao guitarrista André Curci (Threat/Música Diablo) e ao batera do Kacttus Alex e formaram o Statues on Fire. As credenciais e todo histórico dos evolvidos fez com a banda fosse bem recebida imediatamente e aos poucos os caras foram desenvolvendo o trabalho, compondo, tocando e gravando. O resultado é “Phoenix”, um álbum com 11 faixas que transbordam qualidade, energia e sentimento. O grande questionamento era se o Statues on Fire seria um Nitrominds revisitado e ficou claro que não é. O Nitrominds, principalmente nos seus últimos anos era mais pesado, incorporando o metal ao hardcore. O Statues investe mais nas melodias. Os caras apresentam músicas maiores, com solos trabalhados e em alguns casos uma pitada pop. O trampo de guitarras ficou excepcional. E sim os momentos de porradaria também estão presentes. “Phoenix” superou as expectativas, um ótimo cartão de visitas pra essa nova banda de músicos tão gabaritados. Tá saindo em vinil gringo (a capa ficou linda diga-se) e logo mais ganha edição em CD por aqui. Porém a banda disponibilizou o álbum para audição no Bandcamp. Se você curte esse tipo de som vai na fé e clica ae.