(function(d, s, id) { var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0]; if (d.getElementById(id)) return; js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = "//connect.facebook.net/pt_BR/all.js#xfbml=1"; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs); }(document, 'script', 'facebook-jssdk')); class="archive tag tag-meddling-in-regressive-rock tag-324 unknown">

Desova: Lo-Fi – Meddling in Regressive Rock (2017)

De São José dos Campos/SP, o Lo-Fi é uma das bandas mais ativas do underground brasileiro. Em cerca de 9 anos de atividade fizeram inúmeras turnês e lançaram uma grande quantidade de material, entre splits, discos full e K7s. No início tinham uma sonoridade hardcore/rock n’ roll. Algo como o cruzamento de Black Flag com Motorhead. Com o tempo, começaram a explorar outros elementos e “Meddling in Regressive Rock” retrata bem a face atual da banda. Esteticamente passa aquela sensação desértica, árida. Algumas faixas, como o single “Charge Hard” são mais longas, com cara de jam. Riffs e solos à la Black Sabbath. Lisergia e atmosfera viajadona. Porém o hardcore continua lá. Prova disso é a versão de “Prometo não parir pôneis” do Leptospirose. “Meddling in Regressive Rock” é um disco ousado. Tem orgão. Cortesia do participante especial Dinho Zampier (Figueroas). E o tal rock regressivo do título? Segundo a banda, surgiu de uma brincadeira. Nos shows e ensaios, os caras costumam tocar versões longas das músicas abrindo espaço para improvisação. Tipo rock cru com progressivo. O produtor Alexandre Capilé (Estúdio Costela) soltou o termo “rock regressivo” e o trio encampou. Um play que tem o mérito de ser visceral e chapante e o principal, forjou uma identidade.

Disponível para audição no Bandcamp.