(function(d, s, id) { var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0]; if (d.getElementById(id)) return; js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = "//connect.facebook.net/pt_BR/all.js#xfbml=1"; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs); }(document, 'script', 'facebook-jssdk')); class="archive tag tag-espectro tag-115 unknown">

Desova: Violeta de Outono – Espectro (2012)

Para o deleite de seus apreciadores, o Violeta de Outono tá com disco novo na praça. Espectro contém nove faixas inéditas e um bônus track. Com uma sonoridade ímpar, com influências das bandas psicodélicas dos anos 60 e 70 mais também com alguns elementos do rock inglês oitentista, o Violeta se diferencia de tudo que já foi feito em termos de rock no Brasil. Seria algo entre o progressivo de bandas como Pink Floyd e Gong e o pós-punk viajante do Echo and Bunnymen. Mas classificações à parte trata-se de uma melhores bandas do país, tanto em estúdio, quanto ao vivo. Seus shows são simplesmente transcendentais. O novo álbum foi concebido de maneira mais coletiva, diferente dos trabalhos mais antigos onde o guitarrista e vocalista Fábio Golfetti cuidava de praticamente tudo. O Violeta atual possui novidades, uma delas é a inclusão do lendário José Luiz Dinóla, ex-baterista do grupo paulistano A Chave do Sol. Completam o time, o baixista Gabriel Costa e o tecladista Fernando Cardoso. A banda agora possui quatro compositores e todos participam do processo criativo. Com essa formação o som se aproximou ainda mais do rock psicodélico e progressivo dos 60 e 70, principalmente pelo tralhado do tecladista Fernando Cardoso que aditiva as músicas com verdadeiras viagens de Hammond. A guitarra de Fábio continua competente no seu propósito: levar o ouvinte à outra dimensão. É triste saber que uma banda espetacular como o Violeta de Outono continua restrita a poucos, mesmo com cerca de 28 anos de estrada. Porém esses poucos são seres privilegiados.