(function(d, s, id) { var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0]; if (d.getElementById(id)) return; js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = "//connect.facebook.net/pt_BR/all.js#xfbml=1"; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs); }(document, 'script', 'facebook-jssdk')); class="archive tag tag-dead-city-riot tag-296 unknown">

Desova: Motor City Madness – Dead City Riot (2015)

Motor_City_Disco

O segundo álbum dos gaúchos do Motor City Madness é a prova cabal que o rock brasileiro segue ativo e instigante. Se no mainstream o rock feito no Brasil é praticamente nulo, é no underground que ele mostra a sua força. “Dead City Riot” é um passo a frente na carreira dos caras. Musicalmente não houve grandes mudanças. Talvez umas pitadas a mais de stoner e metal somadas ao rock n’ roll punk garageiro característico da banda. Mas se o primeiro play era um apanhado do que seriam dois EPs, esse novo disco apresenta unidade e coesão. É uma obra fechada, onde a capa, letras e som estão interligados por uma espécie de fio condutor. O nome da banda já entrega muita coisa. Uma das principais referências é o rock de Detroit do final dos anos 60 e início dos 70. Stooges e MC5 fazendo escola. Já as temáticas passeiam pelo universo cinematográfico pós-apocalíptico, dos road movies e exploitations com estradas, carros, violência, sangreira gore, zumbis, sexo e putrefação. A capa mais uma vez é obra do Daniel Etê que soube captar o caos da cidade proposto no álbum. “Dead City Riot” é rápido e rasteiro, 11 faixas em 23 minutos de som e feito pra ouvir alto. Disponível aqui.