(function(d, s, id) { var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0]; if (d.getElementById(id)) return; js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = "//connect.facebook.net/pt_BR/all.js#xfbml=1"; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs); }(document, 'script', 'facebook-jssdk')); class="archive tag tag-cangaco tag-303 unknown">

Desova: Cangaço – Retalhado (EP/2015)

Cangaco_EP

Na década de 1990, o Sepultura inovou ao inserir elementos da cultura e da música brasileira em seu som. Naquele momento muitas bandas de metal entraram na onda, algumas não passando do mero pastiche. A moda passou e o metal seguiu seu curso, porém não tão conservador como outrora. As barreiras quebradas pelo Sepultura foi algo primordial para que outras bandas brasileiras flertassem com a cultura do próprio país. Hoje esse tipo de diálogo musical é normal, porém uma banda vem chamando a atenção: o Cangaço. E o que eles têm de tão especial? Simples, o trio é composto por genuínos cabras nordestinos. A banda de Recife, capital de Pernambuco, mergulha de cabeça nas raízes culturais do seu estado. Isso não se restringe à música e abrange toda a concepção do grupo a começar pelo nome. A cultura regional está no som, nas letras e nas capas, dialogando de forma fluente com o thrash/death metal. Após um EP e um álbum full, o Cangaço está lançando “Retalhado”, um EP virtual onde prestam uma homenagem à artistas que os influenciaram. São quatro versões: “Sangue de Bairro (Chico Science & Nação Zumbi), “Cavalos do Cão” (Zé Ramalho), “Guerreiro” (Alceu Valença), “Nothing to Say” (Angra) e uma música autoral intitulada “Rondon”. O EP está disponível para audição e download free no site oficial da banda. Se você assim como eu, acha no mínimo estranho bandas brasileiras com temáticas da cultura de outros países, como cavaleiros, vikings, fadas, elfos e dragões, o Cangaço está ae para provar que é possível inserir a nossa cultura no metal. E sim, fica bom.