(function(d, s, id) { var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0]; if (d.getElementById(id)) return; js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = "//connect.facebook.net/pt_BR/all.js#xfbml=1"; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs); }(document, 'script', 'facebook-jssdk')); class="archive date unknown">

Desova: Cidadão Instigado – Fortaleza (2015)

Cidadao_Fortaleza

“Até que Enfim”, título da faixa de abertura do novo álbum do Cidadão Instigado já diz tudo, afinal foram seis longos anos de espera. A música que versa sobre seguir em frente reflete bem o momento atual da banda. Seguir em frente mas sem esquecer o passado. “Fortaleza” é o disco mais pesado do grupo, impregnado de referências ao hard e ao rock progressivo setentista. Uma sonoridade que lembra muito a psicodelia do chamado “Udigrudi Nordestino” porém com mais peso e distorção. O fato da banda ter composto as músicas na mesma época em que se apresentou tocando o clássico “The Dark Side of The Moon” do Pink Floyd na íntegra com certeza também foi um fator influenciador. Além disso, mudanças estruturais na formação refletiram no som: Régis Damasceno foi para o baixo, o baixista Rian Batista assumiu violões e teclados e o tecladista Dustan Gallas tomou conta da segunda guitarra. O baterista Clayton Martin e o líder guitarrista/cantor Catatau continuaram em seus respectivos postos. Assim, o clima ensolarado do disco anterior, o também ótimo “Uhuuu!” (2009) ficou para trás. “Fortaleza” é repleto de riffs, partes grooveadas, coros, violões e teclados que apesar do peso apresenta momentos de grande contemplação lírica. O álbum foi batizado com o nome da cidade natal da banda, porém segundo os músicos o título acabou se expandindo e adquirindo um conceito mais amplo, assim o nome próprio passou à ser visto como um substantivo. A capa simples com o logo com formas pontiagudas reforça a característica rocker do play. “Fortaleza” está disponível para audição e download no Bandcamp do grupo. Tae um forte candidato à disco do ano em nossas terras.

Vidz: Ratos de Porão – Prenúncio de Treta

Primeiro clipe extraído do “Século Sinistro”, mais recente álbum do RDP lançado no ano passado. O argumento do roteiro é criação do próprio João Gordo e narra situações que são comuns no underground rockeiro do Brasil. Donos de bares e casas noturnas que exploram bandas iniciantes, sem pagamento de cachê e a dificuldade do público em aceitar novos grupos. No vídeo, uma banda de garotos passa um grande perrengue para conseguir tocar. Pietro Benedan, filho do Gordo participa fazendo o papel do baterista mirim. Tudo culmina com uma grande confusão tendo como trilha a faixa “Prenúncio de Treta” que funciona de forma narrativa paras as cenas. Mais um exemplo do bom momento vivido pelo Ratos.

Desova: Wander Wildner – Existe Alguém Aí? (2015)

Wander_Disco

Wanderley Luis Wildner já cantou as dores da vida em muitas músicas. Esse amargor injetado em doses esparsas por sua obra está mais latente agora. Um expurgo talvez. Artista de longa estrada, começou empunhado os microfones dos Replicantes, ícone do punk rock brasileiro nos anos 80. Já nos 90, em carreira solo, cunhou o termo “punk brega” e lançou o clássico “Baladas Sangrentas”. Mostrou-se um compositor nato quanto o coração em frangalhos é o mote. “Bebendo Vinho”, regravada pelo Ira! e “Eu Tenho uma Camiseta Escrita Eu Te Amo” atestam isso. Inquieto, já se reinventou muitas vezes. Sua última encarnação passeava pelos caminhos do folk. Mas agora, em 2015, lançando seu oitavo álbum solo, Wander dá uma guinada brusca. Em “Existe Alguém Aí? o folk sede lugar à distorção. O formato guitarra, baixo, batera está de volta. As feridas estão mais expostas. Trata-se de um disco dolorido. Nublado (como retratado na bela capa). Imerso na região de suas vivências, o Rio Grande do Sul, principalmente a capital Porto Alegre. Isso fica claro já na abertura com “Réquiem para uma Cidade”. Conceitualmente está envolto no contexto político/social de sua terra. Wander atua como narrador do cotidiano gaúcho. Isso é bacana porque em um país de dimensões continentais como o Brasil, proporciona ao ouvinte o contato com outras ambientações. Nas canções, muitos personagens, alguns femininos. As baladas continuam presentes, em meio à crueza dos rocks. “Existe Alguém Aí?” é crítico e pessimista, mas longe de ser lamuriante. À sua maneira, é esperançoso e entra fácil pro rol dos melhores trabalhos do artista. Para ouvir clique aqui.