(function(d, s, id) { var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0]; if (d.getElementById(id)) return; js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = "//connect.facebook.net/pt_BR/all.js#xfbml=1"; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs); }(document, 'script', 'facebook-jssdk')); class="archive date unknown">

Vidz: Alarde – Faca

Quando uma música consegue transmitir múltiplas sensações e sentimentos, alguns indefinidos, é sinal que chegara ao ápice como expressão artística. É aquela que te toca, te fisga, te derruba e te levanta. Em tempos atuais, onde tudo praticamente já foi feito e o passado é reciclado, às vezes alcançando bons resultados, outras nem tanto, uma música que arrebata é algo raro. Mas acontece. Aconteceu. Com o Alarde, banda de São José dos Campos/SP que lançou em 2014 o seu segundo álbum, intitulado “Abismo ao Redor”. Disco este que com certeza estaria na minha lista de melhores do ano passado, mas que por um lapso perdoável eu só vim à ouvir em 2015. “Faca”, a faixa em questão já fala por si só, mas a banda produziu um clipe que transpõem em imagens toda a carga sensorial da música. Ae o estrago foi completo.

Desova: Que Miras Chicón – Causos do Acauso (EP/2015)

Que_Miras_EP

O fazer muito com pouco. Um preceito muito bem aplicado pelo Que Miras Chicón de Monte Azul Paulista. O duo tá lançando um novo EP, “Causos do Acauso”, e o “muito” citado anteriormente refere-se mais à atitude propriamente dita. Porque no som, tudo é econômico, básico. São quatro faixas, sendo que a mais longa tem 1min32s. É punk, músicas e letras, porém o grande diferencial está em um certo fator interiorano. O Que Miras Chicón usa um banjo no lugar da guitarra e o kit de bateria é mínimo. Transitam, som e temáticas, pelo universo das cidades do interior, da roça. E sim, eles fazem muito mesmo. Tão sempre compondo, gravando material, tocando em várias cidades. Com um formato tão minimalista fica mais fácil circular e eles levam seu próprio equipamento, muitas vezes tocando na rua, no que eles chamam de C.E.M. (Consumo Espontâneo de Música). O novo EP está saindo pelo selo Nada Pop e foi gravado no Under Studio, em Ribeirão Preto/SP, por Romulo Felício. Audição e download aqui.

Vidz – As Fábulas Negras (Trailer)

“Um banho de sangue no folclore brasileiro”, assim os realizadores estão divulgando o longa “As Fábulas Negras”, que ganhou trailer no início de 2015. O filme de episódios estréia dia 23 de janeiro na 18º Mostra de Cinema de Tiradentes e depois segue percorrendo o circuito de festivais e mostras mundo afora. Um projeto que vem coroar o bom momento do cinema de horror brasileiro, unindo três gerações de cineastas para contar histórias e lendas do nosso país. Bom ver o mestre Mojica de volta à ativa trabalhando junto à seus pupilos. Uma espécie de troca de figurinhas macabras entre um vovô e seus netinhos. Os mais jovens com gás total, dominando as novas técnicas e equipos e o senhor Mojica com toda a sua bagagem, o “fazer na unha”. Rodrigo Aragão, mentor e produtor do filme, ficou com as histórias “O Monstro do Esgoto” e “A Casa de Iara”. “Pampa Feroz”, que aborda a licantropia gaúcha ficou à cargo de Petter Baiestorf. Joel Caetano apoderou-se da “Noiva do Banheiro”. E Mojica, além da direção, atua em “O Saci”. Histórico!

Desova: Hierofante Púrpura – Boas Bestas (EP/2015)

Hierofante_Boas_Bestas

Já é hábito a Hierofante Púrpura lançar disco novo no primeiro dia do ano. A banda faz isso na encolha. De súbito, vira ano, surge o play na net para ser baixado/degustado. Pois bem, o lançamento da vez, adequadamente batizado de “Boas Bestas” é um EP com quatro faixas. O som mantém as características primordiais da banda, o esporro distorcido das guitarras, o experimentalismo, a lisergia e as boas letras. Tudo isso cozinhado em uma produção lo-fi feita no estúdio Mestre Felino em Mogi das Cruzes, terra da banda. Então se você curte som perfeitinho, tecnicamente impecável, limpinho aos ouvidos pode não aprovar. Mas se sua parada com música tem mais a ver com sentimentos, pode ir na fé. A Hierofante é uma banda que funciona muito bem ao vivo. Seus shows são experiências transubstanciais e essas novas faixas vão acrescentar muito ao repertório. Destaque pra bela “Judiação”. Ouça ou baixe aqui.