(function(d, s, id) { var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0]; if (d.getElementById(id)) return; js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = "//connect.facebook.net/pt_BR/all.js#xfbml=1"; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs); }(document, 'script', 'facebook-jssdk')); class="archive date unknown">

Desova: Mata Atlântica – Ao vivo no JOIO (Bootleg/2012)

Bootleg_Mata

“Tire as teias da sua mente”, canta Ronaldo César em Há Cultura, faixa de abertura do show da banda Mata Atlântica na 1ª edição do JOIO – Festival de Cultura Marginal que ocorreu no dia 24 de novembro de 2012 em Guaxupé, sul de Minas Gerais. O verso e a música em questão resumem bem a proposta do evento, mostrando total sinergia entre produtores, banda e público. Natural de Juruaia e composta na ocasião pelo duo Ronaldo César (guitarra e voz) e Bozo (bateria), a Mata Atlântica fez um show intenso permeado por uma sonoridade ampla onde o rock convive com a mpb, o blues e o reggea. Tudo em harmonia emoldurando as boas letras. Poesia é Como Língua, segunda faixa do show, exemplifica bem essa conjunção. Pedra na Vidraça abre com um riff marcante e segue com uma letra forte. Na sequência, o reggea rock yO SOy pôs os presentes pra dançar. Rodas e transe em uma espécie de ritual de celebração à natureza, um dos motes da banda. Como o título diz, Violão Banguelo Blues é um bluesão pugente que versa sobre atitude e personalidade. As duas músicas seguintes, Ouvem Toque e P’alma, instigam à reflexão. A vida em pensamento. E a conclusão vem novamente em forma de celebração com Visse Grilo. Da letra, grifo o verso: “viver intenso o momento”. E literalmente, foi isso que aconteceu.

Assim como o bootleg do Douglas Mondegrass – Ao Vivo no JOIO, o boot da Mata Atlântica foi gravado e editado pelo selo Beerock/Mondo. Para fazer o download dos discos clique aqui.

Vidz: The Sheepdogs – Feeling Good

2013 mal começou e já temos um forte candidato a clipe do ano. Trata-se do vídeo feito com bonecos de action figures (lembra dos Comandos em Ação?) para a faixa Feeling Good da excelente banda canadense The Sheepdogs. Cenas divertidas e um bom roteiro emoldurados por um rock n’ roll que remete aos anos 70, porém atual. Vale muito a assistida!

2º Pinhal Rock Music Festival

Pinhal_Rock2

Neste sábado, 19 de Janeiro, vai rolar em Espírito Santo do Pinhal, interior paulista, a 2ª edição do Pinhal Rock Music Festival. Sucesso de público e crítica em sua primeira edição, o evento promete repetir a dose tendo como headline a excelente banda paulista Comando Nuclear. A banda é um dos destaques da atual cena metal brasileira e revisita o que de melhor o estilo produziu na década de 80, onde viveu seus áureos tempos. Porém não soa datado, havendo uma adequada transposição pros dias atuais. Destaque pras letras, em bom português. Guaxupé e Guaranésia serão representadas pelas bandas Mr. Metal e Groove Death. Noizzy, 74 Jam e Brave completam o cast.

Os 10 melhores discos nacionais de 2012 segundo Gralha Rocka

Jair

01 Jair Naves – E Você Se Sente Numa Cela Escura, Planejando A Sua Fuga, Cavando O Chão Com As Próprias Unhas
Esperei o hype abaixar pra ouvir. O cara fez um puta disco. Pauleiras a lá Joy Division e lentas de cortar a alma. Como sempre destaque pras letras.

02 Black Drawing Chalks – No Dust Stuck On You
Sempre achei o som dos caras meio repetitivo. Muito igual. Nesse disco eles superaram isso de vez. Um play bem abrangente e variado. Hardão, stoner, proto punk, um certo suingue, bem produzido, capa fóda. Enfim, um dos melhores discos de rock já feitos no Brasil.

03 Lupe de Lupe – Sal Grosso
Pra mim a grande revelação de 2012. Um disco visceral, denso, poético, com aquelas paredes de guitarras e microfonias que lembram algo do rock alternativo americano dos anos 80, pós punk inglês. Bela capa e belo título. A faixa Há Algo de Podre no Reino de Minas Gerais já é um clássico.

04 Monster Coyote – The Howling
A banda de rock mais metal do Brasil ou a banda de metal mais rock do Brasil? Difícil rotular o som dos caras. É stoner, é slugde, é metal. Prefiro dizer que é uma banda de rock pesado. O Monster Coyote é totalmente diferente dos clichês do metal, na sonoridade, nas temáticas, no visual. Por isso é tão legal.

05 Macaco Bong – This is Rolê
A princípio não gostei muito porque na minha mente eu ficava sempre comparando com o primeiro play dos caras, o Artista Igual Pedreiro que é muito bom. Mas ae, fui no show e minha percepção do disco mudou totalmente. This is Rolê é bom justamente por ser diferente do debute. Ao vivo as músicas crescem descumunalmente. É suingado, pesado. Discão!

06 Golpe de Estado – Direto do Fronte
A volta do ícone do hard rock brasileiro. Com Direto do Fronte o Golpe volta em grande estilo. A nova formação deu um gás e uma certa jovialidade a banda. O novo vocalista é bom e pelos vídeos que vi ao vivo, possui carisma e uma identidade própria no palco, apesar de seu timbre de voz lembrar um pouco o lendário Catalau. Hardões, toques de blues, baladas e a guitarra do Hélcio Aguirra inspiradíssima como nos velhos tempos. Só achei descartável a participação do Dinho Ouro Preto na faixa Rockstar. Mas nada que comprometa.

07 Elma – Elma LP
Uma espécie de encontro de Helmet com Fugazi sem vocais. Rock pauleira instrumental da melhor qualidade. Conceito gráfico, som, temáticas, enfim, tudo de muito bom gosto.

08 Garage Fuzz – Warm and Cold EP
Estréia do novo guitarrista. O único defeito desse play é ser pequeno. Quatro faixas que alternam entre as porradas hardcore do início da banda com a sonoridade dos últimos registros, mais alternativa e contida. Destaque também pra bela capa. Saiu encartado na revista 100% Skate.

09 Cascadura – Aleluia
Tem ótimas músicas nesse disco e outras nem tanto. Também, trata-se de um disco duplo. Depois de muitos anos sem gravar, os caras estavam sedentos e registraram várias faixas. Esse a meu ver é o único defeito do play. Se fosse um álbum simples só com as melhores seria perfeito. Mas que banda não sonha em lançar um duplo um dia? É compreensível e as faixas boas são a maioria.

10 Violins – Violins
Mais um bom disco do Violins. Beto Cupertino continua sendo um dos grandes letristas do rock atual, ao lado do Jair Naves, Linari do La Carne e Mário Bortolotto da Saco de Ratos. A sonoridade não trás grandes mudanças em relação aos últimos trabalhos, mas a qualidade segue a mesma. Uma banda que ainda não derrapou. Só bons discos ao longo da tragetória.

Quase entrou*:

Fábrica de Animais – Fábrica de Animais
Violeta de Outono – Espectro
Dorsal Atlântica – Dorsal Atlântica
Hurtmold – Mils Crianças

* Desses quatro ouvi apenas algumas faixas. Excelentes por sinal.