(function(d, s, id) { var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0]; if (d.getElementById(id)) return; js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = "//connect.facebook.net/pt_BR/all.js#xfbml=1"; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs); }(document, 'script', 'facebook-jssdk')); class="archive date unknown">

Fratura

Tae a bela arte de divulgação da montagem de conclusão do Curso Livre de Teatro 14bis. Dias 16 e 17 de dezembro, às 20h30 no Teatro Municipal de Guaxupé. Entrada free.

5º Rock Rural em Alfenas

De 13 a 15 de dezembro vai rolar em Alfenas, sul de Minas Gerais, mais uma edição do festival Rock Rural. Realizado desde 2010, o evento tem como proposta divulgar e fomentar o trabalho das bandas independentes. Com uma programação extensa e diversificada, o 5º Rock Rural contará com nomes conhecidos da galera da região em seu line-up, como a banda K2 de Poços de Caldas e o Jardim do Sapo de Varginha. No sábado serão arrecadados presentes que serão distribuidos às crianças de baixa renda. Para conferir a programação completa clique aqui.

Desova: Douglas Mondegrass – Ao vivo no JOIO (Bootleg/2012)

No dia 24 de novembro de 2012, foi realizada em Guaxupé a 1ª edição do JOIO – Festival de Cultura Marginal. Primeiro evento Gralha, em parceria com a Casa da Cultura e com a imprescindível ajuda de alguns bons amigos. A proposta do fest era dar vazão a produção cultural de cunho transgressor que encontra-se à margem da grande mídia. Dentro desta premissa, nada melhor do que contar com um show do Douglas Mondegrass na programação. E o cara não decepcionou. Empunhando sua viola elétrica, Douglas fez um show arrebatador. Como ele mesmo costuma dizer, nenhuma apresentação sua é igual a outra. E essa, talvez pela vibe que envolveu o festival foi de uma emoção e visceralidade única. O boot abre com uma  introdução, na verdade nosso amigo Léps dando voz à Sergio Sampaio. Em seguida as cordas da viola psicodélica começam a soar. O Morro Agudo II é primeira. Típica canção para comover Guaxupeanos. Mentiras e Vícios é a próxima. A ponte entre o bucolismo (som) e a urbanidade (letra). Evitável Defensivo e Quisera versam de forma sublime sobre conflitos e relacionamentos humanos. Ae vem algo inusitado, uma versão intensa de Espelhos Quebrados, da fase rock n’ roll psicodélica do Ronnie Von. Pra fechar, com os presentes em êxtase diga-se, uma homenagem ao Pachá, genial centroavante que jogou na Esportiva de Guaxupé. Uma música embrionária encerrada com trecho do aúdio original de um jogo da Esportiva, com três gols de Pachá narrados pelo radialista Kaled Cury. Gravado e editado pelo selo Beerock/Mondo, o Bootleg Douglas Mondegrass – Ao vivo no JOIO está disponível para audição e download no Bandcamp.

O Terço na capa da Poeira Zine

Pois é, temos aqui no Brasil uma revista de altíssima qualidade dedicada aos sons mofados do passado, a Poeira Zine. Capitaneada por um time que manja tudo de som antigo, a revista foge do lugar comum e sempre apresenta matérias interessantes com bandas que poucos conhecem e que não figuram com frequência na grande mídia. Na sua nova edição, a Poeira vem corrigir uma injustiça. Nas suas 44 capas anteiores, nunca houve uma capa com uma banda brasileira. E agora, como uma arte gráfica linda por sinal, a banda O Terço é o destaque de capa da revista. Ícone do rock brasileiro, o O Terço possui no currículo discos antológicos, como o Criaturas da Noite, lançado em 1974. Em matéria escrita pelo pesquisador Nélio Rodrigues, o texto traz uma entrevista com o grupo e conta de maneira profunda a trajetória da banda. Para descolar a sua, basta acessar o site da revista.

Cineclube Guaxupé apresenta:

[Clássicos]

Filme: Reefer Madness – A Erva Maldita
Ano: 1936
Direção: Louis J. Gasnier
Duração: 65 minutos
Classificação: 14 anos
Curadoria: Gralha Rocka

Sinopse:

Filme sensacionalista produzido nos EUA nos anos 30 com o objetivo de alertar a população  sobre os perigos do uso da maconha. Idealizado por um grupo religioso, Reefer Madness foi concebido inicialmente para exibição em escolas e salões paroquiais. Porém, após filmado foi adquirido pelo distribuidor Dwain Esper que o editou para exibição nos cinemas. A desinformação dos produtores em relação aos efeitos do uso da maconha fez do filme um hilário equívoco, onde os usuários são retratados como pessoas insanas capazes de cometer crimes graves como matar e estuprar. Com o passar dos anos Reefer Madness passou a ser cultuado justamente pelos admiradores da erva e é visto hoje como uma divertida comédia  involuntária.

Serviço:
Data: 04/12/2012
Hora: 19:00
Local: Cine Teatro 14 Bis de Guaxupé
Entrada Gratuita