(function(d, s, id) { var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0]; if (d.getElementById(id)) return; js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = "//connect.facebook.net/pt_BR/all.js#xfbml=1"; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs); }(document, 'script', 'facebook-jssdk')); class="archive date unknown">

Desova: Violeta de Outono – Espectro (2012)

Para o deleite de seus apreciadores, o Violeta de Outono tá com disco novo na praça. Espectro contém nove faixas inéditas e um bônus track. Com uma sonoridade ímpar, com influências das bandas psicodélicas dos anos 60 e 70 mais também com alguns elementos do rock inglês oitentista, o Violeta se diferencia de tudo que já foi feito em termos de rock no Brasil. Seria algo entre o progressivo de bandas como Pink Floyd e Gong e o pós-punk viajante do Echo and Bunnymen. Mas classificações à parte trata-se de uma melhores bandas do país, tanto em estúdio, quanto ao vivo. Seus shows são simplesmente transcendentais. O novo álbum foi concebido de maneira mais coletiva, diferente dos trabalhos mais antigos onde o guitarrista e vocalista Fábio Golfetti cuidava de praticamente tudo. O Violeta atual possui novidades, uma delas é a inclusão do lendário José Luiz Dinóla, ex-baterista do grupo paulistano A Chave do Sol. Completam o time, o baixista Gabriel Costa e o tecladista Fernando Cardoso. A banda agora possui quatro compositores e todos participam do processo criativo. Com essa formação o som se aproximou ainda mais do rock psicodélico e progressivo dos 60 e 70, principalmente pelo tralhado do tecladista Fernando Cardoso que aditiva as músicas com verdadeiras viagens de Hammond. A guitarra de Fábio continua competente no seu propósito: levar o ouvinte à outra dimensão. É triste saber que uma banda espetacular como o Violeta de Outono continua restrita a poucos, mesmo com cerca de 28 anos de estrada. Porém esses poucos são seres privilegiados.

Cineclube Guaxupé apresenta:

[Internacionais]

Filme: Pague Para Entrar, Reze Para Sair
Ano: 1981
Direção: Tobe Hooper
Duração: 96 minutos
Classificação: 16 anos

Sinopse:

Terror dirigido por Tobe Hooper, mesmo diretor dos clássicos O Massacre da Serra Elétrica e Poltergeist – O Fenômeno. No longa, Hooper faz uso de uma história simples para mostrar como um local de suposta alegria pode se tornar aterrorizante. Pague Para Entrar, Reze Para Sair narra uma noite na vida de quatro jovens que visitam um parque de diversão. Com o expediente do parque encerrado, os jovens decidem passar a noite escondidos dentro do trem fantasma. No entanto, sua busca por diversão os levam de encontro com o terror.

Serviço:
Data: 25/09/2012 (Terça-feira)
Hora: 19:00
Local: Cine Teatro 14 Bis de Guaxupé
Entrada Gratuita

Quando o assunto é cover #2

March to Sickness – Tributo ao Mudhoney (2008)

O Mudhoney nunca alcançou o sucesso e os dividendos de seus contemporâneos Nirvana, Pearl Jam e Soundgarden. Porém, a banda de Mark Arm, pioneira no que se convencionou chamar de grunge influenciou inúmeras bandas espalhadas pelos lugares mais obscuros do mundo. E no Brasil não foi diferente. É impressionante a quantidade de bandas brasileiras que têm o Mudhoney como influência. Visto isso, a Monstro Discos lançou em 2008 um disco tributo aos caras, composto exclusivamente por bandas brasileiras. Como a maioria dos tributos, March to Sickness possui altos e baixos, mas que fique claro, os altos são a maioria. O play abre com os Walverdes, talvez a banda do disco que mais bebeu de Mudhoney ao longo da sua expressiva carreira no underground. Outros destaques ficam pra Detetives (cantando em espanhol), Autoramas, MQN e Mechanics. Algumas faixas como a versão do Debate são verdadeiras desconstruções das originais. Isso só faz aumentar a qualidade e originalidade do tributo. Afinal, se for pra ouvir versões idênticas às originais, não há sentido num projeto como este. O Mudhoney esteve no Brasil em várias ocasiões e quem conferiu os shows sabe que a banda é totalmente merecedora de um tributo. Brasileiro então, melhor ainda. Segue o set:

01 – Walverdes – Suck You Dry
02 – Ambervisions – Touch Me, I’m Sick
03 – Detetives – El sol q ciega (Blidding Sun)
04 – Macaco Bong – You Got it
05 – Autoramas – In’n’Out Of Grace
06 – MQN – Poisoned Water
07 – Lucy and The Popsonics – Well Well Song (Generation Spokesmodel + Fashion Forecast)
08 – The Dead Rocks – March To Fuzz
09 – Vamoz – Pokin’ Around
10 – Mechanics – Here Come Sickness
11 – Pitty – If I Think
12 – Holger – No Song 3
13 – Superguidis – Into the Drink
14 – Amp – Thorn
15 – The Sinks – Who You Driving Now
16 – Motherfish – Real Low Vibe
17 – Debate – Good Enough

Festival Fagulha 2012

De 19 a 23 de setembro vai rolar em Ribeirão Preto a segunda edição do Festival Fagulha de Artes Integradas. O fest cresceu e sua programação extensa será distribuida por vários locais. A parte musical será alocada nos Estúdios Kaiser e contará com nomes como Mundo Livre S/A (Recife PE), Dead Fish (Vitória ES) e Black Drawing Chalks (Goiânia GO). Trata-se de uma realização conjunta entre Coletivo Fuligem, Circuito Fora do Eixo, MGB Studio e Circuito Paulista de Festivais Independentes. Para conferir todas as infos clique aqui.

Cineclube Guaxupé apresenta:

[Clássicos]

Filme: Warriors – Os Selvagens da Noite
Ano: 1979
Direção: Walter Hill
Duração: 93 minutos
Classificação: 14 anos

Sinopse:

Filme que influenciou a estética e o comportamento de movimentos culturais que surgiram no Brasil no início dos anos 80, como o Punk e o Metal. O longa narra uma noite de batalhas entre gangues na cidade de Nova York. Acusados injustamente pelo assassinato do líder da maior das gangues, os Warriors são perseguidos por seus rivais e pela polícia. Tentando chegar até seu território, são obrigados a lutar por suas vidas. Com o passar dos anos, Warriors ganhou status de filme cultuado, influenciando gírias, músicas e conquistando fãs pelo mundo inteiro.

Serviço:
Data: 18/09/2012 (Terça-feira)
Hora: 19:00
Local: Cine Teatro 14 Bis de Guaxupé
Entrada Gratuita

Desova: Diomedes – A Trilogia do Acidente (2012)

De Loureço Mutarelli
Companhia das Letras

Há muitos anos atrás, antes de transitar por vários caminhos artísticos (hoje ele é escritor, dramaturgo, ator, entre outras coisas), Lourenço Mutarelli era conhecido como um dos grandes nomes dos quadrinhos brasileiros. Porém sua visibilidade era restrita aos aficionados por HQs mais elaboradas e complexas. Muito distante das tiras cômicas dos jornais e dos gibis do Maurício de Souza. Sua obra era angustiante e perturbadora. Apesar do reconhecimento no meio, nunca alcançou as massas. Porém, no final dos anos 90, ele iniciou a produção de sua HQ mais conhecida. O traço sujo e o texto perturbador deram espaço a algo mais contido, aproximando-se das clássicas histórias policiais cheias de intrigas e mistério. Porém em se tratando de Mutarelli nada é convencional. Sua história policial é aditivada com um humor negro mordaz e seu personagem principal, “o detetive”, foge totalmente dos clichês do gênero. Diomedes, o “herói” da trama é um gordo falido, corno e bebum que vive em um ambiente degradado. A história se desenvolve a partir do momento que esse indivíduo é contratado para encontrar um mágico desaparecido. A partir disso, e de forma mais sutil, o universo e os personagens atormentados que permeavam o início da carreira do autor vão sendo inseridos. A obra foi produzida como uma trilogia, só que em quatro volumes. O Dobro de Cinco, O Rei do Ponto e A Soma de Tudo partes 1 e 2 encontravam-se fora de catálogo há muito tempo. Mas agora, merecidamente inserido no cast da maior editora do Brasil, a Companhia das Letras, Mutarrelli tem sua saga do detetive Diomedes relançada com os quatro livros reunidos em um único volume. A nova edição traz esboços inéditos que não estavam no original. Além disso, o letreiramento foi refeito e os desenhos originais foram reescaneados com o intuito de criar uma experiência gráfica ainda mais impactante. Mutarelli, que havia parado com a produção de HQs, retomou ao formato em 2011 com o lançamento de Quando Meu Pai Se Encontrou Com O ET Fazia Um Dia Quente, também editado pelo selo específico da editora, o Quadrinhos na Cia.. Resta torcer para que outras obras do autor também ganhem novas edições, principalmente as produzidas nos anos 80 e 90, que hoje são verdadeiras relíquias.

Rock autoral no Encontro de Motociclistas

Pois é, quem conhece esse tipo de evento tá ligado que o foco são os motociclistas e seus clichês Born to be Wild. Talvez por isso não divulgaram com clareza a programação musical, com o horário que cada banda sobe ao palco e demais infos. O fato é que os covers manjados sempre dão as cartas. Mas esse ano, o rock em Guaxupé e região vive seu momento digamos “mais autoral” e várias bandas prometem um set recheado de sons próprios. Então vale muito a conferida na edição 2012 do evento. O pouco que sabemos é que na sexta a partir das 19hs vai rolar Mr. Metal, Zé Revolta e Seven Keys. No sábado teremos o thrash de responsa da Groove Death, de Guaranésia e no domingo mais Zé Revolta. Outras bandas irão se apresentar, mas não sabemos nomes e horários. Então fica a dica: vá ao Parque da Mogiana* e conte com a sorte.

* O cartaz dos caras tá fail. Parece que o Corpo de Bombeiros não liberou o Parque de Exposições, então o evento foi transferido pro Parque da Mogiana. Se liguem!

Festival Independente ou Morte 2012

Neste fim de semana, precisamente nos dias 14, 15 e 16 de setembro, vai rolar em Serrana/SP, a edição 2012 do festival Independente ou Morte. Além de excelentes shows, o evento contará com exposições, oficinas e exibições de filmes e clipes. Segue a programação musical:

14/09 – Sexta-feira
– Luno (Bragança Paulista-SP)

15/09 – Sábado
– Nemphis Belle (Porto Ferreira-SP)
– Festenkois (Belo Horizonte-MG)

16/09 – Domingo
– Madre Cassino (Taqueritinga-SP)
– Dias Mortos (Serrana-SP)
– Íbis ( Serrana-SP)

Entrada: R$ 5,00 o pacote pros 3 dias

« + Antigas