(function(d, s, id) { var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0]; if (d.getElementById(id)) return; js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = "//connect.facebook.net/pt_BR/all.js#xfbml=1"; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs); }(document, 'script', 'facebook-jssdk')); class="archive category category-livros category-9 unknown">
Buscando em:livros

Autor guaxupeano J.A.R. Ferraz lança “O Sexto Reino – E o Vale dos Dragões” nesta sexta

Livro_Ferraz

A cidade de Guaxupé, no sul de Minas Gerais, vive um grande momento no campo da literatura. Há de se constar que o município possui certa tradição neste quesito, visto que já foi residência de grandes escritores como Elias José e Nege Além. Porém uma nova safra de poetas e prosadores tem tirado gradativamente seus textos da gaveta e o resultado, independente do gênero, tem sido excelente. Em 2010, a Fundação Cultural de Guaxupé organizou uma antologia de poetas locais. Lógico que em um projeto como este, que prima pela abrangência, acaba entrando muito material de gosto duvidoso e outros muito bons, como aconteceu. Mas a iniciativa foi de extrema importância para impulsionar e estimular futuras publicações. No caso da prosa, André Stanley lançou recentemente o instigante romance “O Cadáver”, livro que tem proporcionado muitos elogios ao autor e tem tudo para se tornar um clássico da literatura local. E eis que agora mais um escritor guaxupeano tira seu livro da prensa. A primeira parte da trilogia “O Sexto Reino”, intitulada “E o Vale dos Dragões” de autoria de J.A.R. Ferraz será lançada nesta sexta, 08 de novembro, às 19h30, no Teatro Municipal. O livro é indicado para os amantes do gênero fantasia e demais leitores que queiram se aventurar por essa vertente. No mesmo dia também será lançado o livro de crônicas “Santo Algures” de Rodrigo Taveira, natural de São Caetano do Sul/SP, que está residindo em Guaxupé há 4 anos. O evento de lançamento contará com a presença dos escritores André Stanley e Ronaldo César Bueno Machado de Juruaia e a participação do Instituto Elias José. Também haverá exposição de telas do artista plástico Carlos Peixoto e da coleção de selos do filatelista Ângelo Ramos Nogueira. Prestigiem!

“Noite Literária” em Guaxupé/MG

Livro_Andre

No próximo sábado, 21 de setembro, será realizada no Teatro Municipal de Guaxupé a “Noite Literária” e o grande acontecimento do evento é sem dúvida o lançamento do romance “O Cadáver” do guaxupeano André Stanley. Formado em História, Stanley atua como professor e pesquisador e também leciona inglês, idioma que domina desde a adolescência. O autor tem fortes ligações com o rock n’ roll já tendo inclusive participado de algumas bandas. “O Cadáver” é seu livro de estréia.

Programação:

• 19:00 – Workshop com o tema: O Romantismo: O surgimento do ideal romântico e sua permanência no mundo pós-moderno, ministrado pelo professor e escritor André Stanley.
• 19:30 – Escritores regionais falam sobre suas obras e perspectivas para a literatura na era digital.(leitura de poemas)

Presença de:

Julio Tauil – poeta de Guaxupé
J.A.R. Ferraz – escritor Guaxupé
Ronaldo Cesar Bueno Machado – poeta de Juruaia
André Jericó Oliveira – escritor de Monte Santo

• 20:30 – Lançamento do Livro “O Cadáver” pelo autor André Stanley (que ficará a disposição do público)
• 21:00 – Encerramento do evento.

Exposição do artista plástico Gustavo Dias.

Desova: Diomedes – A Trilogia do Acidente (2012)

De Loureço Mutarelli
Companhia das Letras

Há muitos anos atrás, antes de transitar por vários caminhos artísticos (hoje ele é escritor, dramaturgo, ator, entre outras coisas), Lourenço Mutarelli era conhecido como um dos grandes nomes dos quadrinhos brasileiros. Porém sua visibilidade era restrita aos aficionados por HQs mais elaboradas e complexas. Muito distante das tiras cômicas dos jornais e dos gibis do Maurício de Souza. Sua obra era angustiante e perturbadora. Apesar do reconhecimento no meio, nunca alcançou as massas. Porém, no final dos anos 90, ele iniciou a produção de sua HQ mais conhecida. O traço sujo e o texto perturbador deram espaço a algo mais contido, aproximando-se das clássicas histórias policiais cheias de intrigas e mistério. Porém em se tratando de Mutarelli nada é convencional. Sua história policial é aditivada com um humor negro mordaz e seu personagem principal, “o detetive”, foge totalmente dos clichês do gênero. Diomedes, o “herói” da trama é um gordo falido, corno e bebum que vive em um ambiente degradado. A história se desenvolve a partir do momento que esse indivíduo é contratado para encontrar um mágico desaparecido. A partir disso, e de forma mais sutil, o universo e os personagens atormentados que permeavam o início da carreira do autor vão sendo inseridos. A obra foi produzida como uma trilogia, só que em quatro volumes. O Dobro de Cinco, O Rei do Ponto e A Soma de Tudo partes 1 e 2 encontravam-se fora de catálogo há muito tempo. Mas agora, merecidamente inserido no cast da maior editora do Brasil, a Companhia das Letras, Mutarrelli tem sua saga do detetive Diomedes relançada com os quatro livros reunidos em um único volume. A nova edição traz esboços inéditos que não estavam no original. Além disso, o letreiramento foi refeito e os desenhos originais foram reescaneados com o intuito de criar uma experiência gráfica ainda mais impactante. Mutarelli, que havia parado com a produção de HQs, retomou ao formato em 2011 com o lançamento de Quando Meu Pai Se Encontrou Com O ET Fazia Um Dia Quente, também editado pelo selo específico da editora, o Quadrinhos na Cia.. Resta torcer para que outras obras do autor também ganhem novas edições, principalmente as produzidas nos anos 80 e 90, que hoje são verdadeiras relíquias.

Desova: Catálogo Cogumelo 30 Anos (2012)

Uma importante página da história do rock brasileiro acaba de ganhar um registro à altura. A gravadora mineira Cogumelo Records está lançando com apoio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura de BH, um catálogo histórico compreendendo seus 30 anos de existência, completados em 2010.
Tudo começou como uma pequena loja de discos de rock no ano de 1985. Cinco anos depois, para dar vazão à efervescente cena metálica que surgia na capital mineira, a loja virou gravadora e debutou no mercado com o lançamento do EP-split Bestial Devastation/Século XX, um vinilzão dividido entre as bandas Sepultura e Overdose. A partir daí, a Cogumelo lançou inúmeros discos de bandas que se tornaram lendas do metal brasileiro, como Chakal, Sarcófago, Mutilator, Holocausto, entre outras. Os lançamentos da gravadora conquistaram admiradores por todo o Brasil e até no exterior, contribuindo para que BH se tornasse o maior pólo produtor de música pesada do país.
O catálogo, impresso em material de alta qualidade, traz o registro de todos os lançamentos realizados pela Cogumelo, com capas, fotos inéditas, clippings e posters de shows. E se não bastasse, vem com uma coletânea com 18 bandas encartado. Com certeza, trata-se de um item que deve constar na prateleira de qualquer headbanger brasileiro que se preze.

Desova: RATM Guerreiros do Palco (2012)

De Paul Stenning
Edições Ideal

O Rage Against the Machine sempre foi mais do que uma banda de rock. Com um som furioso que mescla rap, punk e metal e um forte engajamento esquerdista, os caras literalmente revolucionaram o cenário da música mundial no início dos anos 90. Por incrível que pareça, suas músicas viscerais que gritavam contra a opressão, o imperialismo cultural, o corporativismo americano e a desigualdade social caiu no gosto do público e os levou à figurar entre os grandes nomes do rock mundial. Agora, vinte e um anos após sua formação, a Edições Ideal lança no mercado brasileiro o livro RATM Guerreiros do Palco que narra toda a trajetória da banda. Escrito pelo competente jornalista Paul Stenning, o livro foca não apenas na banda em si, mas em todo o contexto histórico, citando fatos envolvendo truculência policial, causas sociais e movimentos que se desenvolveram até a junção do vocalista fã de hardcore e ativista político Zack De La Rocha com o genial guitarrista Tom Morello, que curiosamente se formou em Harvard.
Em 16 capítulos, Stenning conta como a banda surgiu, lançou seus quatro álbuns de estúdio, vendeu milhões e se separou em 2000, dando origem ao Audioslave, e posteriormente se reuniu para se apresentar ao vivo novamente.
Da volta até o presente momento, o RATM não apresentou nenhum material novo, mais a história desses guerreiros segue em aberto, ficando a esperança que muitos capítulos ainda sejam escritos. O que já aconteceu está muito bem contado neste livro.